8 de abril de 2016

{Resenha} Millennium 1 – Os Homens que Não Amavam as Mulheres

Millennium 1 – Os Homens que Não Amavam as Mulheres
Título Original: Män Som Hatar Kvinnor
Autor (a): Stieg Larsson
Editora: Companhia das Letras
Número de Páginas: 528
Ano de Publicação: 2005 (ed. 2015)
Sinopse: Vem da Suécia um dos maiores êxitos no gênero de mistério dos últimos anos: a trilogia Millennium - da qual este romance, Os homens que não amavam as mulheres, é o primeiro volume. Seu autor, Stieg Larsson, jornalista e ativista político muito respeitado na Suécia, morreu subitamente em 2004, aos cinquenta anos, vítima de enfarte, e não pôde desfrutar do sucesso estrondoso de sua obra. Seus livros não só alcançaram o topo das vendas nos países em que foram lançados (além da própria Suécia, onde uma em cada quatro pessoas leu pelo menos um exemplar da série, a Alemanha, a Noruega, a Itália, a Dinamarca, a França, a Espanha, a Itália, a Espanha e a Inglaterra), como receberam críticas entusiasmadas. O motivo do sucesso reside em vários fronts. Um deles é a forma original com que Larsson engendra a trama, fazendo-a percorrer variados aspectos da vida contemporânea, da ciranda financeira feita de corrupção à invasão de privacidade, da violência sexual contra as mulheres aos movimentos neofascistas e ao abuso de poder de uma maneira geral. Outro é a criação de personagens extremamente bem construídos e originais, como a jovem e genial hacker Lisbeth Salander, magérrima, com o corpo repleto de piercings e tatuagens, e comportamento que beira a delinquência. O terceiro é a maestria em conduzir a narrativa, repleta de suspense da primeira à última página. Os homens que não amavam as mulheres é um enigma a portas fechadas - passa-se na circunvizinhança de uma ilha. Em 1966, Harriet Vanger, jovem herdeira de um império industrial, some sem deixar vestígios. No dia de seu desaparecimento, fechara-se o acesso à ilha onde ela e diversos membros de sua extensa família se encontravam. Desde então, a cada ano, Henrik Vanger, o velho patriarca do clã, recebe uma flor emoldurada - o mesmo presente que Harriet lhe dava, até desaparecer. Ou ser morta. Pois Henrik está convencido de que ela foi assassinada. E que um Vanger a matou. Quase quarenta anos depois, o industrial contrata o jornalista Mikael Blomkvist para conduzir uma investigação particular. Mikael, que acabara de ser condenado por difamação contra o financista Wennerström, preocupa-se com a crise de credibilidade que atinge sua revista, a Millennium. Henrik lhe oferece proteção para a Millennium e provas contra Wennerström, se o jornalista consentir em investigar o assassinato de Harriet. Mikael descobre que suas inquirições não são bem-vindas pela família Vanger, e que muitos querem vê-lo pelas costas. De preferência, morto. Com o auxílio de Lisbeth Salander, que conta com uma mente infatigável para a busca de dados - de preferência, os mais sórdidos -, ele logo percebe que a trilha de segredos e perversidades do clã industrial recua até muito antes do desaparecimento ou morte de Harriet. E segue até muito depois... até um momento presente, desconfortavelmente presente.
 

Sabe aquele ditado “antes tarde do que nunca”? É assim que me sinto em relação a este livro. Após o Black Friday do ano passado no Ponto Frio, onde eu consegui adquirir os 3 primeiros livros da série por R$10,00 cada, eu prometi para mim mesma que eu leria a série o mais rápido possível. 

Capa da 1ª edição
Depois de uma sinopse tão grande, o primeiro conselho que dou a você leitor, é vá preparado para uma leitura densa, e não possível de se fazer em uma tarde ou até mesmo um dia. Não por ser chata a narrativa, ou cansativa, é pelo extenso conteúdo, e por muitas informações que são necessárias para tornar a trama tão magnífica. 

Eu fiz a leitura totalmente no escuro (não no sentido literal rs), mas sem saber do que se tratava a história, ou seja, não li a sinopse. O começo da trama é BEM lento, porém fundamental para o desenvolvimento da história, e o interessante é que por mais lento que seja, o autor consegue prender o leitor em TODO momento, atiçando a curiosidade sempre. Em vários momentos eu pensava: “vou parar um pouco que está lento mesmo... então eu lia a próxima frase e pensava, droga, agora vou ter que entender o porquê disto acontecer”. 

“ – Tive numerosos inimigos ao longo dos anos e aprendi uma coisa: não aceitar o combate quando é certo que se vai perder. Em compensação, jamais dê folga a quem o demoliu. Seja paciente e responda quando estiver em posição de força, mesmo que não haja mais necessidade de responder.” – Trecho pg. 149

Na diagramação, o livro é divido em: Prólogo; I. Incitação; II. Análise das Consequências; III. Fusões; IV. Takeover hostil e Epílogo, numa divisão pessoal eu separaria em 3 partes: a explicação dos acontecimentos e apresentação superficial dos personagens; o começo da solução do mistério e exposição dos personagens mais a fundo e por último, o desfecho do mistério e a conclusão de todos as pontas soltas deixadas na primeira parte. 

Lá pela segunda parte (da minha divisão haha), ou seja, lá pelos dois terços do livro, é que a trama fica muito interessante e a velocidade dos fatos e da leitura aumenta consideravelmente. A terceira e última parte ela voa praticamente, de tão rápido que o desfecho acontece. 

A narrativa é toda na terceira pessoa, mas apesar disso o leitor é apresentado a todos os fatos, podendo até mesmo ir desvendando o mistério no decorrer da trama. Há muitos trechos que são bem fortes, um exemplo disso são as cenas sexuais descritas. São fortes na maioria das vezes pela maneira brutal que são colocadas, daqui já se têm uma ideia a escolha do título “homens que não amavam mulheres”. 
“ – Acho que você está enganado. Ele não é um assassino serial, um doente que leu a Bíblia demais. É simplesmente um canalha ordinário que odeia as mulheres.” – Trecho pg. 348
Fico de pé e bato palmas para o autor com relação à criação dos personagens! São tão reais, tão bem construídos, que um documentário ou um noticiário parece se passar aos nossos olhos ao ler. Vou tentar fazer um resumo e uma visão dos principais personagens. 

O primeiro é Mikael Blomkvist, ou Super-Blomkvist, um jornalista sério, editor chefe e um dos donos de uma revista chamada Millennium, responsável por matérias de denúncias de negócios duvidosos do mundo financeiro. O problema foi quando Mikael publicou uma denúncia contra um grande magnata da época chamado Hans-Erik Wenneström, e foi acusado de caluniador, sendo obrigado a cumprir 3 meses de prisão e pagar uma dívida imensa por difamação. Mas o que foi a perdição de Mikael, também foi o seu ganho, pois após aparecer na TV e ser assunto principal dos noticiários, foi contratado por Henrik Vanger, um grande empresário, para desvendar o mistério do assassinato de sua neta Harriet Vanger, ocorrido há 40 anos. Mikael é firme, decidido, honesto, charmoso (suponho eu pela fama com as mulheres), e muito persistente e um dos personagens principais de toda a trilogia. 
“ – Chegamos agora à verdadeira razão pela qual eu gostaria de contratá-lo. Quero que descubra quem, na família, assassinou Harriet Vanger e há quase quarenta anos vem tentando me fazer mergulhar na loucura.” – Trecho pg. 91
A outra personagem principal é Lisbeth Salander, uma jovem considerada problemática para a sociedade e no fundo uma verdadeira gênia! É interessante a construção desta personagem, já que é demonstrado logo no começo o quão diferente ela é, com inúmeras tatuagens, piercings, extremamente magra, com um jeito fechado, e com a enorme dificuldade de socializar. Mas Lisbeth tem um passado, e de maneira indireta somos apresentados a parte deste passado, e como ele afetou Lisbeth no decorrer da vida. Há um palpite durante a narrativa que talvez Lisbeth tem a Síndrome de Asperger, cujas principais características são uma inteligência acima do normal, porém alta dificuldade de interação com as pessoas. 

São mencionados inúmeros personagens da família Vanger, e é necessária uma atenção especial para entender cada um deles e o papel de cada um na trama. 

Eu gosto muito do gênero suspense/policial, e adoro quando o autor consegue surpreender o leitor. Stieg consegue fazer isso, visto que o mistério não paira apenas no assassinato de Harriet, é algo bem mais a fundo, e que no fundo o assassinato é um grão de areia numa imensa praia. 

Há 2 versões de adaptações cinematográficas desta obra. A primeira é a versão sueca e a segunda é uma adaptação hollywoodiana mais conhecida do que a primeira, lembrando que na versão americana o personagem principal é Daniel Craig. 

Outro fato que para mim era desconhecido, é que o autor não teve a oportunidade de ver o enorme sucesso da trilogia, devido a um infarto aos 50 anos, logo após a entrega das obras à editora, uma lástima ao meu ver. 

Ao final da resenha eu afirmo para você leitor: SEJA PERSISTENTE na leitura! Valerá a pena!

4 comentários:

  1. Lu vc acredita que comprei o box dessa série, primeira edição, anos atrás por 80,00 reais e na época achei mega barato. Vi o primeiro filme e gostei muito, mas por um motivo ou outro ainda não consegui ler, mas pretendo ainda esse ano. Penso em colocá-lo no projeto leitura de domingo, pq leio sem pressa e cobranças.
    Amei sua resenha, ela ficou bem estruturada e do jeito que gosto, focando nas suas impressões. Parabéns!!! Fiquei curiosa para ler logo, mas tenho outras prioridades imediatas!!!

    Leituras, vida e paixões!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oii Line,
      Eu acredito sim!!! Eu sempre via o box e sempre pensava "um dia eu compro"... e aí saiu a promoção dos livros separados não resisti!!!
      Leia sim Line!!! Vale muito a pena... é como eu disse na resenha, o começo é cansativo, mas depois a leitura fica mais dinâmica é impossível largar!
      Muito obrigada por sua visita!!!

      Beijão!

      Excluir
  2. Que bela postagem hein Lu!

    Preciso ler esses livros, pois adorei o filme hollywoodiano, e estou no aguardo da sequência até hoje, mas não sei se vai rolar.
    O jeito vai ser partir para os filmes suecos.

    Vou seguir a sua dica e ler essa obra!

    Att, André.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Dééé
      Recomendo fortemente a leitura desse livro! É muito bom! Agora vou ler os outros da série! Os filmes ainda não assisti. Pensei em começar primeiro pelo americano por se apenas do primeiro livro!
      Obrigada pela visita aqui no blog!
      Beijossss

      Excluir