8 de fevereiro de 2017

{Resenha} O Príncipe dos Canalhas

O Príncipe dos Canalhas
Título Original: Lord of Scoundrels
Autor (a): Loretta Chase
Editora: Arqueiro
Número de Páginas: 288
Ano de Publicação: 2015
Sinopse: Sebastian Ballister é o grande e perigoso marquês de Dain, conhecido como lorde Belzebu: um homem com quem nenhuma dama respeitável deseja qualquer tipo de compromisso. Rejeitado pelo pai e humilhado pelos colegas de escola, ele nunca fez sucesso com as mulheres. E, a bem da verdade, está determinado a continuar desfrutando de sua vida depravada e pecadora, livre dos olhares traiçoeiros da conservadora sociedade parisiense. Até que um dia ele conhece Jessica Trent... Acostumado à repulsa das pessoas, Dain fica confuso ao deparar com aquela mulher tão independente e segura de si. Recém-chegada a Paris, sua única intenção é resgatar o irmão Bertie da má influência do arrogante lorde Belzebu. Liberal para sua época, Jessica não se deixa abater por escândalos e pelos tabus impostos pela sociedade – muito menos pela ameaça do diabo em pessoa. O que nenhum dos dois poderia imaginar é que esse encontro seria capaz de despertar em Dain sentimentos há muito esquecidos. Tampouco que a inteligência e a virilidade dele pudessem desviar Jessica de seu caminho. Agora, com ambas as reputações na boca dos fofoqueiros e nas mãos dos apostadores, os dois começam um jogo de gato e rato recheado de intrigas, equívocos, armadilhas, paixões e desejos ardentes.
 

Já mencionei aqui no blog que sou suspeita de resenhar livros de romances históricos, já que é muito difícil um que não me agrade. Eles me cativam pelo cenário, pelo modo o qual a sociedade se comportava, sobre os costumes, enfim sobre muitos aspectos os quais eu poderia passar o dia aqui mencionando.

Agora vamos ao que interessa: a história do Príncipe dos Canalhas.... Logo o leitor é apresentado ao prólogo, a partir de 1792 na França, o qual menciona a história de como Sebastian Ballister, ou Marquês de Dain, fez sua fama, e o porquê disso acontecer. O pai de Sebastian perdeu sua esposa e seus três primeiros filhos para o tifo, e não querendo que o nome de sua família terminasse nele, teve outro filho com uma mulher bem mais jovem. A questão é que o filho, não foi o que seu pai esperava.

Devido à feiura de Sebastian e preocupado com a vergonha que o pai iria ser exposto na sociedade, o pai de Sebastian humilha o filho e o manda para um colégio interno, e lá Sebastian sofrerá com mais humilhações e maus-tratos. E os anos se passam, e revoltado com as pessoas, a forma a qual ele encontra para sobreviver é sendo estúpido, irônico, ignorante, e assim ele fica conhecido como lorde Belzebu, sendo respeitado pelas pessoas não pelo o que ele é, e sim por medo do que ele possa fazer.

Então no decorrer da narrativa, já por volta de 1828, somos apresentados a segunda protagonista, Jessica Trent, vinda de Londres para Paris para tentar resolver a situação de seu irmão e leva-lo de volta à Londres. Mas em sua tentativa, Jessica acaba se deparando com Sebastian em uma loja de antiguidades, e o primeiro lampejo que o leitor possa ter de “coitada da Jessica, pois Sebastian é um grosso”, o leitor logo muda de ideia quando Jessica começa com suas alfinetadas, e assim começa um diálogo ácido, cheio de ironias, e é daí que o romance começa.

É engraçado que o famoso ditado “os opostos se atraem” não se aplica no casal protagonista, visto que ambos possuem personalidades muito parecidas, e jeitos teimosos de serem.


E outra frase que também é muito comum nos romances é “o amor à primeira vista” e é nítido que a autora conseguiu fugir do contexto literal da frase, e criou mais “faíscas à primeira vista”, e que no final, ambas as situações resultam em um mesmo desfecho.

Assim como a citação da autora Mary JoPutney mencionada na contracapa do livro, a história de Sebastian e Jessica é praticamente a história da Bela e a Fera, com a diferença de uma Bela menos doce, e uma Fera não tão horrenda assim.
“A Bela e a Fera. Era assim que Beaumont os descreveria, aquele desgraçado de língua venenosa.”– Trecho pg. 130
O que vou causar polêmica aqui é a discussão da capa. Apesar de todos ficarem apaixonados pela capa desta edição da Editora Arqueiro, e que realmente admito que ela seja bem bonita, honestamente fiquei decepcionada com a escolha do casal da foto, visto que Jessica é caracterizada com cabelos bem negros (o que não é muito visto nessa capa), e imaginava Sebastian bem maior do que ela. Então resumindo, da capa eu gostei, só não achei a escolha do casal apropriada.

O livro faz parte de uma série independente composta por:
  • The Lion´s Daughter
  • Captives of the Night
  • Lord of Scoundrels
  • Three Weddings and a Kiss
  • The Last Hellion (O Último dos Canalhas)
O final do livro surpreende com a entrada de mais uma personagem (sem spoilers), e sem ganchos para outras possíveis continuações, o leitor chega na última página, no último parágrafo com um suspiro e um pensamento de como seria lindo viver uma história dessas (O.K. eu terminei assim, não é necessário que todos sejam tão românticos quanto eu).

Nenhum comentário:

Postar um comentário