20 de fevereiro de 2017

{Resenha} Princesa de Papel

Princesa de Papel (The Royals #01)
Título Original: Paper Princess
Autor (a): Erin Watt
Editora: Planeta (Selo Essência)
Número de Páginas: 368
Ano de Publicação: 2017
Sinopse: O primeiro livro da série The Royals, a nova sensação new adult dos EUA. Ella Harper é uma sobrevivente. Nunca conheceu o pai e passou a vida mudando de cidade em cidade com a mãe, uma mulher instável e problemática, acreditando que em algum momento as duas conseguiriam sair do sufoco. Mas agora a mãe morreu, e Ella está sozinha. É quando aparece Callum Royal, amigo do pai, que promete tirá-la da pobreza. A oferta parece tentadora: uma boa mesada, uma promessa de herança, uma nova vida na mansão dos Royal, onde passará a conviver com os cinco filhos de Callum. Ao chegar ao novo lar, Ella descobre que cada garoto Royal é mais atraente que o outro – e que todos a odeiam com todas as forças. Especialmente Reed, o mais sedutor, e também aquele capaz de baixar na escola o “decreto Royal” – basta uma palavra dele e a vida social da garota estará estilhaçada pelos próximos anos. Reed não a quer ali. Ele diz que ela não pertence ao mundo dos Royal. E ele pode estar certo.
 

Leitores, o primeiro conselho que lhes dou é: Não vão na ilusão de que só porque o título tem a palavra ‘Princesa’ necessariamente a história será de época, ou de meninas com vestidos rodados e bufantes, ou algo que remeta à castelo, que vocês certamente irão se decepcionar. 

Princesa de Papel é o primeiro livro da trilogia The Royals, uma série New Adult de grande sucesso lançada nos EUA.

"Esses Royals vão arruinar você..."

Ella Harper é a protagonista da história, a suposta princesa, mas que de princesa não tem nada até a chegada de um tutor. Voltemos um pouco à vida de Ella. Sua mãe faleceu quando ela tinha 15 anos, e para não ser levada para um orfanato, Ella decide falsificar documentos e vai levando esta vida até seus 17 anos. A vida de Ella é bem sofrida, e para conseguir sobreviver após a morte de sua mãe e durante a doença da mesma, Ella trabalha de garçonete e stripper. Em um determinado dia, Ella é chamada pelo diretor de seu colégio informando que sua guarda seria dada à um tutor Calum Royal, e é neste momento que a vida de Ella começa a virar de cabeça para baixo.

Aqui leitor você deve estar se perguntando: e o pai de Ella? A mãe de Ella conta que seu pai as abandonou e que a única lembrança que ela tinha era um relógio que Ella sempre usava. Quando Callum busca Ella, ele informa sobre a morte de seu pai, e Callum, seu novo guardião é extremamente rico, e leva então Ella para a nova vida de ‘princesa’ (princesa aqui é o sinônimo de patricinha, da alta sociedade).

Mas leitores, nem tudo são flores, e Callum tem 5 filhos: Gideon, Reed, Easton, e os gêmeos Sebastian e Sawyer, e especialmente Reed, o bad boy, vai fazer com a vida de Ella não seja nada fácil. Daí para frente, a narrativa tem brigas, amor, sexo, hipocrisia, falsidade, um mundinho onde as pessoas acreditam que o dinheiro pode comprar tudo. E apesar disso tudo... sério... é um vício que cada página que viramos é necessária a leitura da próxima, e isso até o final do livro.

Também já adianto para vocês leitores que o final do livro vai lhes deixar totalmente arrasados!!! A última parte deixa um gancho de tamanho gigantesco que o leitor ou aguenta até a publicação da continuação no Brasil, ou procura a versão em inglês da obra (este foi o meu caso). O segundo livro, Broken Prince e terceiro, Twisted Place, já foram lançados nos Estados Unidos, mas sem data de lançamento aqui no Brasil.

Eu geralmente não curto comparar autores, pois acho que cada um tem a sua peculiaridade na escrita, mas achei que o estilo dos autores Elle Kennedy e Jen Frederick (a dupla do pseudônimo Erin Watt), muito parecido com o estilo da autora Abby Glinnes (da série Rosemary Beach). Principalmente pela temática em si, a problemática familiar, os caras lindos, com corpos sarados, a moça que é injustiçada em um primeiro momento, mas que logo conquista a simpatia de todos.


A narrativa é na primeira pessoa, com os capítulos narrados por Ella, e a trama ocorre de maneira rápida, com linguagem fluida e simples. Por se tratar de New Adult, of course, que há vários trechos de sexo, ou de linguagem vulgar, mas de novo, se o leitor já tiver em mente sobre o que se trata a obra ele certamente não irá se decepcionar.
“- Tenho certeza de que eles estarão mais receptivos de manhã – diz ele. Parece que está tentando convencer a si mesmo.A mim com certeza não convenceu.”
O engraçado no livro é que no começo da narrativa eu odiava os Royals, mas já sabia que depois eu ia acabar gostando deles. A questão é que de uma hora para outra eu comecei a amá-los haha e esse era o sentimento que tive em grande parte da leitura: amor x ódio. Amor pela história, ódio pelo término; ódio pelos Royals, seguido de puro amor.

Além dos protagonistas Reed e Ella, eu AMEI o jeito de East, e gostaria muito de um livro sobre a história deste personagem. Na verdade, cada personagem marcou de certa maneira, e todos são tão bem construídos, que dão a sensação de proximidade ao leitor.

E que linda a edição da Editora Planeta, que manteve a capa original de Paper Princess, e adorei a diagramação e os detalhes das coroas nos capítulos.

O que percebi é que as pessoas que não gostaram foram com muita sede ao pote e nem procuraram saber sobre o que de fato era a narrativa. Eu particularmente gostei muito de Princesa de Papel, mesmo sendo juvenil e o romance clichê. Apesar de ser um livro que divide a população em dois grupos: ou ame-o ou odeio-o, posso dizer que EU, Lylu, AMEI! Me prendeu a todo momento, e arrancou suspiros até o fim.

6 comentários:

  1. Oi, Lylu!
    Eu vi esse livro circulando pela blogosfera, mas a sua resenha foi a primeira que li. Conhecendo a escrita da Glines muito bem, acredito que realmente seja uma leitura rápida e objetiva, só não sei até que ponto gostaria da mesma, de modo geral. A premissa é legal, mas só. Não sei se viria a amar, talvez, não sei. Mas pretendo dar uma chance em algum momento e, quem sabe, poderei me surpreender bastante.
    Já estou seguindo seu blog. ;)
    Abraço!

    "Palavras ao Vento..."
    www.leandro-de-lira.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. Que linda resenha! O livro deve ser mesmo viciante porque li cada palavrinha dessa resenha querendo mais, hahaha, sério mesmo. Eu estou com esse livro na minha lista e fiquei muito feliz com sua resenha porque pude desconstruir algumas expectativas equivocadas. Agora já sei o que esperar. Nada de princesas e castelos. Amo personagens bem construídos que cativam o leitor. Acho que vou gostar muito desse livro.
    Uma abraço,
    http://eusouumpoucodecadalivroqueli.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Oi Lylu! Eu adoro um New Adult e confesso que sou super fã da Abbi Glines, então as chances de gostar desse livro são muito boas, mas se tem um final que deixa a gente desesperada pra saber o que vai acontecer, eu acho que vou esperar o próximo pq assim eu leio os dois de uma vez hehehehheheheh não morro de ansiedade rs

    Bjs, Mi

    O que tem na nossa estante

    ResponderExcluir
  4. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  5. É a primeira vez que vejo esse livro e adorei a resenha. Já está na minha lista de leituras!

    Seguindo o blog, bjsss

    Agarotaqueleblog.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  6. Triste por não conseguir parceria com a editora, queria muito ler esse livro, mas vou comprar de qualquer jeito kkkkkk a historia me prendeu
    http://b-uscandosonhos.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir