2 de março de 2017

{Resenha} Nem Tudo Será Esquecido

Nem tudo será esquecido
Título Original: All Is Not Forgotten
Autor (a): Wendy Walker
Editora: Planeta
Número de Páginas: 288
Ano de Publicação: 2016
Sinopse: Um dos suspenses psicológicos mais elogiados nos Estados Unidos Tudo parece perfeito na pequena Fairview, em Connecticut, até a noite em que a adolescente Jenny Kramer é violentada durante uma festa. Nas horas posteriores, ela é medicada com uma droga controversa para que as memórias da violência sejam apagadas. Mas, nas semanas que se seguem, enquanto se cura das dores físicas, Jenny percebe que guardou nuances daquela noite. O pai, obcecado por sua incapacidade de descobrir quem abusou de sua filha, busca justiça, enquanto a mãe tenta fazer de conta de que o crime não abalou seu mundo cuidadosamente construído. Segredos da família e do círculo próximo começam a vir à tona durante a busca incessante pelo monstro que invadiu a comunidade – ou que talvez sempre tenha estado lá –, guiando este thriller psicológico para um fim chocante e inesperado.
 

Apesar de amar romances ‘água com açúcar’, normalmente livros de suspense, thrillers ou histórias policiais me atraem muito também. 

A história da autora Wendy Walker começa com um crime que choca a pequena e tranquila cidade de Fairview, a adolescente Jenny Kramer é brutalmente violentada e estuprada durante uma festa de estudantes. ‘Só aqui a autora já prende por completo a atenção do leitor, apesar de ser bem chocante a forma a qual ela descreve o acontecimento.’ Voltando... Ainda no hospital, os pais de Jenny, Tom e Charlotte, são apresentados a um novo tratamento que tem como objetivo fazer com que a vítima se esqueça das lembranças, com o fim de minimizar o trauma. Mas com isso, Jenny também se esqueceria dos detalhes, impossibilitando o trabalho da polícia e assim descobrir quem foi o agressor. A questão é que a droga não foi tão eficaz quanto eles imaginavam, e nem tudo foi esquecido por Jenny, e a partir daí o leitor é levado à essa alucinante trama para saber o que de fato aconteceu com Jenny Kramer.
"Sempre digo o mesmo a esses pacientes quando eles chegam para me consultar, convencidos de que estão condenados a uma vida com seus fantasmas [...] Proporciono-lhes conforto quando digo que nem tudo será esquecido."
Paralelo ao crime de Jenny, toda a problemática de sua família é narrada, e como os segredos de sua mãe e o jeito do seu pai, interferem também com o caso.

A narração é toda na primeira pessoa, e o narrador é Alan, o psiquiatra de Jenny. Por ele ser parte da história, em certos momentos, é nítido que o narrador descreve apenas o que, e na hora lhe interessa ao leitor, e não expõe os fatos da forma de seus reais pensamentos. Se isso me incomodou? Na verdade não. Eu de fato gostei bastante da narrativa desta forma, o que deixou ainda mais emocionante o final.


A curiosidade de desvendar o que acontecera com Jenny foi tanta que eu li o livro em um dia, e ao terminar me senti totalmente satisfeita por uma história que conseguiu me prender em cada página.

O diferencial da autora é que ela enche as páginas de informações, que em um primeiro momento nós leitores pensamos ‘Mas para que eu preciso saber disso?’ e lá na frente, esses detalhes fazem toda a diferença, e ela amarra todos de modo que tudo fica muito bem explicado.

A autora acrescenta algumas informações científicas e aspectos psicológicos no decorrer da trama, associando aos casos que o personagem Alan tratou durante a vida, e isso fica melhor ainda na trama, dando mais veracidade à narrativa (apesar de ser uma ficção).

Os personagens foram todos muito bem descritos, cada um com uma peculiaridade em sua personalidade.

Gostei muito da capa e da edição da Editora Planeta. Não encontrei erros, a diagramação está impecável e palmas para esse título e para o contexto da história, que convence o leitor que por mais que sejam feitas coisas para esquecermos as coisas ruins da vida: “Nem tudo será esquecido”. 

Com certeza eu recomendo a leitura desta obra, se você curte um bom thriller, este te faz criar várias suposições, que no final o autor ainda sim consegue te surpreender da melhor maneira possível.

 

Um comentário:

  1. Oiii Lylu

    Apesar de ser a fanática das fantasias, amo um bom thriller, daqueles bem construído que convida a gente a pensar e desvendar os mistérios. Pelo que vc conta esse é um bem interessante, com certeza vai pra lista.

    Beijos

    aliceandthebooks.blogspot.com

    ResponderExcluir